Quando pode ser necessária cirurgia para dor nas costas?

Quando pode ser necessária uma cirurgia para dor nas costas?

A cirurgia pode ser considerada se for para dor lombar intensa que não melhora após um curso de 6 a 12 semanas de tratamentos não cirúrgicos. Quase sempre é a decisão do paciente de fazer uma cirurgia nas costas, e apenas em raras situações a cirurgia imediata é realizada para a dor lombar.

Alguns fatores a serem considerados antes de fazer uma cirurgia nas costas incluem:

Capacidade funcional Se for possível completar as atividades da vida diária com níveis controláveis de dor e se a dor não interromper o sono ou a atividade, os tratamentos não cirúrgicos são geralmente recomendados. A cirurgia é mais provável de ser recomendada se o paciente tiver capacidade limitada de funcionamento na vida cotidiana.

Processo de recuperação e estilo de vida Tanto a cirurgia quanto os cuidados não cirúrgicos requerem vários graus de comprometimento de tempo. É importante considerar como o processo de cicatrização após a cirurgia afetará o paciente, em comparação com os cuidados não cirúrgicos continuados.

Consulte os conselhos práticos para se recuperar de uma cirurgia nas costas.

Tipo de cirurgia Algumas cirurgias são consideravelmente mais invasivas do que outras e incluem períodos de cicatrização mais longos, dor mais ou menos significativa durante a recuperação e internações hospitalares variáveis. Com abordagens cirúrgicas modernas e um cirurgião experiente, muitos tipos de cirurgia da coluna agora podem ser feitos em regime de hospital-dia com um período de recuperação mais curto.

Saúde mental Vários estudos indicaram que o bem-estar mental e emocional têm uma correlação positiva com a melhora e a satisfação após a cirurgia. Pacientes que se sentem mais no controle de sua saúde, por exemplo, relatam uma recuperação e resultados mais positivos após a cirurgia. Compreender como um paciente provavelmente responderá à cirurgia pode ajudar a orientar um cuidado pós-operatório mais eficaz.

A cirurgia da coluna geralmente não é recomendada para dores nas costas leves a moderadas ou para dores que duraram menos de 6 a 12 semanas. Além disso, a cirurgia na coluna geralmente é mais indicada nos casos em que existe uma boa correlação entre a apresentação clínica e os achados de imagem.

Cirurgias de descompressão

Uma cirurgia de descompressão remove tudo o que está pressionando as raízes nervosas da coluna vertebral, o que pode incluir uma porção herniada de um disco ou esporão ósseo. Existem dois tipos principais de descompressão para dor lombar.

A microdiscectomia é um procedimento minimamente invasivo para pacientes com hérnia de disco lombar causando dor radicular na perna (ciática). Esta pode ser realizada pela técnica convencional, tubular ou endoscópica.

A laminectomia remove parte da camada do osso ou tecido mole que está comprimindo um nervo ou várias raízes nervosas. Uma laminectomia normalmente será realizada para alguém com dor nas pernas e / ou fraqueza por estenose espinhal causada por alterações nas articulações facetárias, discos ou esporões ósseos.

Uma cirurgia de descompressão pode ser realizada com técnicas abertas ou minimamente invasivas com incisões relativamente pequenas e mínimo desconforto e recuperação antes de retornar ao trabalho ou outras atividades. A maioria desses procedimentos está sendo feito atualmente em regime de hospital-dia ou pernoite.

Artrodese da coluna

A imobilização de um segmento vertebral doloroso é feita com o intuito de evitar movimento e assim diminuir a dor causada por este é chamada de cirurgia de fusão ou artrodese. Esse procedimento geralmente envolve o implante de dispositivos de titânio para ajudar na fixação das vértebras, isso permite que haja crescimento ósseo ao longo do segmento vertebral com o tempo – normalmente de 6 a 12 meses – levando à união ou fusão das vértebras em um único bloco ósseo, que estabiliza e elimina o movimento desses segmentos espinhais.

Na coluna lombar, a fusão pode ser feita por trás (abordagem posterior), pela frente (abordagem anterior), pela lateral (abordagem lateral) ou combinada. Técnicas modernas, implantes, navegação e produtos biológicos tornaram a cirurgia mais segura, com uma recuperação e retorno à atividade normal e ao trabalho mais rápidas.

As indicações mais comuns para fusão espinhal lombar incluem espondilolistese, fraturas, instabilidade, deformidade, doença degenerativa do disco e estenose. Para dor lombar causada por disfunção da articulação sacroilíaca, a fusão da articulação sacroilíaca é uma opção. Tumores e infecções também são tratados com cirurgia de fusão, mas essas condições são muito menos comuns.

Outras opções cirúrgicas

Algumas opções cirúrgicas mais recentes que estão sendo usadas para alguns casos de dor lombar incluem:

Disco artificial lombar. Para alguns pacientes, a substituição do disco é uma alternativa potencial à cirurgia de fusão especificamente para a doença degenerativa do disco sintomática. Este procedimento tem potencial para uma recuperação mais rápida e para manter mais movimento da coluna vertebral do que a fusão lombar, porém os resultados a longo prazo deste procedimento ainda estão sendo estudados.

Espaçador interlaminar. O espaçador interlaminar é uma alternativa à fusão na estenose e espondilolistese degenerativa moderada. O objetivo desta abordagem seria obter resultados semelhantes aos da fusão, mas com uma cirurgia menor e recuperação mais rápida. Dados de estudos de longo prazo ainda estão sendo coletados.

Esta não é uma lista completa de opções cirúrgicas. Várias outras existem ou estão em desenvolvimento. As tecnologias que estão sendo utilizadas hoje e em desenvolvimento incluem células-tronco e terapias biológicas, nanotecnologias e robótica.

Cirurgia da coluna, cuidados pós-operatórios

O período de recuperação após a cirurgia na coluna depende de uma série de fatores, incluindo a condição do paciente antes da cirurgia, a extensão da cirurgia e a habilidade e experiência do cirurgião.

  • Uma microdiscectomia para uma hérnia de disco lombar é considerada minimamente invasiva, e o paciente fica internado por no máximo uma noite, sendo o tempo de recuperação de cerca de uma semana.
    Consulte Cirurgia Microdiscectomia da Coluna: Riscos, Complicações e Taxas de Sucesso
  • Uma fusão lombar pode envolver internação de dois ou mais dias no hospital, retorno lento às atividades cotidianas e, possivelmente, algumas restrições de atividades à medida que a fusão se instala nos próximos 3 a 12 meses.

A fisioterapia é geralmente prescrita para restabelecer a força, a amplitude de movimento e estimular a recuperação dos tecidos. Os pacientes também costumam receber analgésicos, relaxantes musculares e/ou opióides, e alguns pacientes podem ser aconselhados a usar um colete ou cama especial, cadeiras de banho ou travesseiros de apoio para facilitar o processo de recuperação.

Os pacientes em recuperação são normalmente aconselhados a descansar um pouco enquanto a coluna vertebral e os tecidos adjacentes cicatrizam. A maioria dos pacientes tira um breve período de folga do trabalho – algumas semanas a poucos meses a depender da função – para evitar o esforço excessivo das estruturas da coluna vertebral. É importante que a manutenção da capacidade de trabalho seja um dos objetivos do tratamento da dor.

Esse texto tem o objetivo trazer informação de qualidade e de fácil compreensão para o público leigo, não tem cunho científico e não se trata de recomendação terapêutica. A melhor forma de tirar suas dúvidas é conversando com seu médico.

Deixe seu comentário

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *